31 de maio: Dia Mundial Sem Tabaco

Brasília, segunda-feira, 31 maio, 2021

31 de maio: Dia Mundial Sem Tabaco

Banner: Divulgação.

Com: informações da Secretaria de Saúde
Fonte: AGÊNCIA BRASÍLIA

Atualizado em: 31 maio, 2021

Prática é responsável por 8 milhões de mortes ao ano e cerca de 25% dos óbitos por câncer

Nesta segunda-feira, dia 31 de maio, é celebrado o Dia Mundial Sem Tabaco, uma forma de chamar a atenção a uma prática muito agressiva à saúde – de si e de terceiros – que, em tempos de pandemia, pode trazer graves complicações. A Rede de Saúde do Distrito Federal oferece assistência e tratamento para fumantes, especialmente focado na reabilitação de pessoas que desejam parar de fumar.

Em 2021, a luta antitabagismo completa 100 anos. Ao longo de todo mês de maio, a Secretaria de Saúde promoveu uma campanha publicitária expondo todos riscos do tabaco

Em meio à pandemia por covid-19, a OMS lançou uma publicação intitulada “101 razões para parar de fumar”, expondo todos os riscos do tabagismo ativo e passivo e suas relações com o vírus sars COV-2, agente causador da doença | Foto: Geovana Albuquerque / Agência Brasília

Atualmente, 58 unidades de saúde oferecem o tratamento antitabagismo em todas as regiões do DF. A abordagem é realizada em duas frentes, o tratamento cognitivo comportamental: que consiste em orientações e estratégias para se inibir o desejo de fumar, e o tratamento medicamentoso: que presta assistência farmacêutica aos casos mais graves.

“O tratamento medicamentoso consiste no alívio dos sintomas às crises de abstinência que os pacientes possam ter. Nem todas as pessoas precisam utilizar o medicamento, ele vai ser prescrito após avaliação médica para aqueles pacientes que não estão tolerando os sintomas das síndromes de abstinência”, explica a Referência Técnica Distrital (RTD) de Tabagismo, Nancilene Melo.

Em 2021, a luta antitabagismo completa 100 anos. Ao longo de todo mês de maio, a Secretaria de Saúde promoveu uma campanha publicitária expondo todos riscos do tabaco.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a prática do tabagismo é responsável por 8 milhões de mortes ao ano. Cerca de 25% dos óbitos por câncer guardam relação com o fumo.

Além do risco de morte, o tabagismo deixa a pessoa mais suscetível a infartos e tromboses, podendo ser igualmente responsável por outras enfermidades, como tuberculose, derrames, perda de sentidos (visão e audição), disfunção erétil, infertilidade.

A indústria do tabaco também é responsável por vários danos ao meio ambiente, com a emissão de gases poluentes e a contaminação do solo, além da poluição urbana devido ao descarte inadequado das bitucas.

Tabagismo e covid-19

Em meio à pandemia por covid-19, a OMS lançou uma publicação intitulada “101 razões para parar de fumar”, expondo todos os riscos do tabagismo ativo e passivo e suas relações com o vírus sars COV-2, agente causador da doença.

Segundo a organização, o novo coronavírus pode ser ainda mais prejudicial para fumantes e ex-fumantes, visto que se trata de um vírus muito agressivo aos pulmões. De acordo com uma pesquisa da Universidade de Ciência e Tecnologia de Huazhong, em Wuhan, na China, as pessoas que fumam têm 14 vezes mais chances de desenvolver quadros graves de covid-19 do que os pacientes que não possuem o hábito.

“O tabaco tem uma parte particulada da fumaça que, quando cai na corrente sanguínea, vai causar um processo inflamatório dentro da veia e das artérias, além da ação direta nas vias respiratórias, que podem causar doenças crônicas. A covid-19, basicamente, é uma doença respiratória também, ela causa um processo inflamatório vascular de uma forma muito intensa e isso é responsável pelo processo trombótico”, esclarece a RTD.

TALVEZ VOCÊ TAMBÉM SE INTERESSE POR:


0

Comente esta notícia!