Acordo com Universidade prevê estudos científicos sobre capivaras na orla do Lago Paranoá

Brasília, quarta-feira, 2 junho, 2021

Acordo com Universidade prevê estudos científicos sobre capivaras na orla do Lago Paranoá

Estudo científico sobre capivaras vai subsidiar políticas públicas para reduzir conflitos com moradores na orla do Lago Paranoá. Foto: Renato Araújo/Agência Brasília

Fonte: ASCOM RAXVI

Atualizado em: 4 junho, 2021

Estudar o comportamento das capivaras, as condições de vida e sobrevivência, a variação do número destes animais e os locais de maior densidade, são alguns dos objetivos do trabalho científico “Identificação e Monitoramento da População de Capivaras no Lago Paranoá”, que será desenvolvido pela Universidade Católica de Brasília – UCB, com recursos do Fundo Único do Meio Ambiente e coordenação da Secretaria de Meio Ambiente do Distrito Federal. O anúncio do acordo foi feito ontem, durante webinário da abertura da Semana do Meio Ambiente.

São várias as reclamações de moradores que residem em locais próximos à orla do Lago Paranoá, onde é maior a incidência das capivaras. O estudo irá subsidiar as políticas públicas para reduzir os conflitos desta convivência, desenvolvendo metodologias para mensurar a população de capivaras, incidência de carrapatos, riscos à saúde e de zoonoses.

O trabalho fornecerá ainda subsídios para uma política de manejo e monitoramento destes animais, contando com especialistas nesta área. Para realização da pesquisa, serão levados em considerações vários estudos anteriores, como o realizado em 2017 pelos estudantes do Centro Universitário de Brasília (UniCeub), que identificaram 22 pontos de maior incidência das capivaras em toda a orla do Lago Paranoá, sendo 14 na Orla Sul do Lago.

Ficou acordado entre a Universidade Católica e a Secretaria de Meio Ambiente que o estudo terá ampla divulgação e o apoio logístico e institucional das Administrações Regionais.

Medidas de proteção à saúde dos moradores serão tomadas, independentes da conclusão dos estudos, na tentativa de amenizar os problemas gerados pela convivência dos moradores com os animais silvestres.

TALVEZ VOCÊ TAMBÉM SE INTERESSE POR:


0

Comente esta notícia!