Concurso Público: Candidato reprovado em TAF da Polícia Federal consegue reverter resultado na Justiça

Brasília, terça-feira, 19 outubro, 2021

Concurso Público: Candidato reprovado em TAF da Polícia Federal consegue reverter resultado na Justiça

Foto: Divulgação.


Atualizado em: 19 outubro, 2021

Etapa do concurso apresentou diversas irregularidades, explica o advogado responsável pelo caso Max Kolbe

Um candidato que foi reprovado no exercício de natação do Teste de Aptidão Física (TAF) do concurso público da Polícia Federal (PF) em 2018, conseguiu a reversão do resultado e poderá refazer a atividade, com possibilidade de ser nomeado no cargo de delegado federal, conforme determinou a Justiça.

O candidato havia sido considerado inapto na etapa por ter extrapolado o tempo de realização do exercício de e natação em piscina de 25 metros ou em piscina de 50 metros com as laterais em exatos 25 metros. Entretanto, segundo o processo, a piscina utilizada para a execução da atividade não era a ideal devido à borda móvel.

O advogado responsável pelo caso, Max Kolbe, do escritório Kolbe Advogados e Associados explica que essa etapa do concurso apresentou diversas irregularidades.

“O teste fora efetuado em uma piscina olímpica, com 50 metros de comprimento, mas que tem uma borda móvel e com aberturas para passagem de água de uma metade da piscina para outra, dividindo-a, supostamente, em 25 metros. E que quanto maior a quantidade de água em uma piscina maior será a sua densidade e, consequentemente, maior será o esforço exigido para que o competidor efetue o teste físico”, explica o especialista em concursos públicos Max Kolbe.

“Em função de ter havido a alteração física do tamanho da piscina, não havia nenhuma marcação oficial no local, o que pode ter levado a uma marcação errônea, prejudicando-o”, completa o documento.

O advogado também argumentou que o sistema de aquecimento da piscina de realização do teste estava desligado, o que atrapalhou o inscrito.

“A temperatura ideal da piscina seria em torno de 28ºC, podendo variar e chegar a 32ºC. A piscina em que foi realizado seu teste de natação possuía sistema de aquecimento. Entretanto, fora mencionado pelos avaliadores que o sistema estava desligado. Conclui que os demais candidatos que realizaram o teste de natação em locais com piscinas aquecidas e com o sistema ligado, ou que realizaram em piscinas descobertas e com o sol aquecendo naturalmente a água, tiveram grande vantagem sobre ele, uma vez que a piscina em que seu teste foi realizado era coberta e que a água estava gélida”, pontua Kolbe.

A Justiça decidiu, por fim, que o candidato poderá refazer o teste e as demais fases avaliativas do certame.

TALVEZ VOCÊ TAMBÉM SE INTERESSE POR:


0

Comente esta notícia!