Dia do Combate à Pirataria: mais de R$ 280 bilhões em prejuízo no ano passado

Brasília, sexta-feira, 3 dezembro, 2021

Dia do Combate à Pirataria: mais de R$ 280 bilhões em prejuízo no ano passado

Foto: Divulgação.


Atualizado em: 15 dezembro, 2021

Entre os produtos falsificados, remédios à cigarros e carros de luxo.

Dia 3 de dezembro é celebrado o Dia Nacional do Combate à Pirataria. A data foi instituída por lei federal no ano de 2005 com o objetivo de conscientizar os cidadãos sobre o crime da aquisição de produtos pirateados.

A prática no Brasil é mais comum do que se pensa e os tipos de produtos são diversos. Entre eles, roupas, remédios, perfumes, TV a cabo, plataformas de streaming, cigarros e até mesmo carros de luxo falsificados.

De acordo com um levantamento do Fórum Nacional Contra a Pirataria e a Ilegalidade (FNCP), só no ano de 2020 o Brasil perdeu cerca de R$ 287 bilhões para o mercado ilegal. O valor é a soma das perdas registradas em 15 setores industriais e a estimativa dos impostos que não foram arrecadados.

Pirataria e a lei

Segundo o advogado especialista em direito penal Philipe Benoni a pirataria diz respeito a “crimes de difícil verificação, pois o autor não toma conhecimento imediato da utilização não autorizada da obra, sem a devida remuneração”.

O assunto é tratado pelo art. 184 do Código Penal, complementado pela Lei n. 9610/98, que prevê penas que variam de 3 meses a 4 anos de reclusão. O artigo assegura que o direito exclusivo de utilização, publicação ou reprodução das obras pertencem aos autores do produto.

Apesar de ser uma prática amplamente difundida na sociedade, especialmente nas cidades grandes, a pirataria não é considerada uma conduta socialmente adequada, apta a afastar a tipicidade do delito.

Benoni explica que em função disso que o STJ editou a Súmula 502, que cita que “Presentes a materialidade e a autoria, afigura-se típica, em relação ao crime previsto no art. 184, §2º, do CP, a conduta de expor à venda CDs e DVDs piratas”.

Contrabando

O especialista e consultor em segurança pública Leonardo Sant’Anna relembra que a pirataria não é inofensiva como muitos pensam. A prática, além de sonegar milhões em direitos intelectuais de inventores, autores e artistas, elimina empregos, afugenta capitais e inviabiliza a competição com empresas sérias que investem em pesquisa e cumprem seus deveres legais e fiscais.

Santa’Anna reforça ainda que a pirataria é alimentada por organizações criminosas “Quando consumimos um produto pirata, estamos automaticamente alimentando o tráfico de drogas e as armas de organizações criminosas”.

Por isso, é de extrema importância não contribuirmos com o mercado. “É preciso que a sociedade se conscientize sobre a compra de produtos originais e não alimentados por crimes organizados”, ressalta o especialista.

TALVEZ VOCÊ TAMBÉM SE INTERESSE POR:


0

Comente esta notícia!