Operação Verde Vivo prepara DF para período de incêndios florestais

Brasília, segunda-feira, 13 junho, 2022

A operação Verde Vivo tem por objetivo alterar o efetivo e realocar recursos para que sejam usados exclusivamente no combate a incêndios florestais | Fotos: Renato Araújo/Agência Brasília


Atualizado em: 13 junho, 2022

Em setembro de 2021 foram registradas 2.278 ocorrências de fogo na vegetação; em 2022, só até a primeira semana deste mês, já houve 891 episódios

A operação Verde Vivo, do Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal (CBMDF), destinada a atuar em situações de emergência ambiental causadas pelos incêndios florestais, já começou a ser colocada em prática pelo Grupamento de Proteção Ambiental. Para isso, estão sendo realizados cursos de capacitação, mapeamento de áreas de risco e compra de materiais que serão usados nas ações.

Nos 30 dias de setembro de 2021 – o mês mais crítico da seca e que apresenta o maior número de casos de incêndios florestais –, foram registradas 2.278 ocorrências de fogo na vegetação e 7.104 hectares queimados. Neste ano, desde janeiro até a última quarta-feira (8), foram registradas 891 ocorrências.

Na operação Verde Vivo, entidades que estão mais próximas de áreas rurais e unidades de conservação recebem um efetivo para trabalhar exclusivamente no combate e controle aos incêndios

O chefe do Centro de Gerenciamento Ambiental, major João Henrique Correia, disse que a operação Verde Vivo tem por objetivo alterar o efetivo e realocar recursos para que sejam usados exclusivamente no combate a incêndios florestais. Segundo ele, entidades que estão mais próximas de áreas rurais e unidades de conservação recebem um efetivo para trabalhar exclusivamente no combate e controle aos incêndios.

“Esse ano estamos sob efeito do El Niño, com enfraquecimento do La Niña [El Niño e La Niña são fenômenos de aquecimento superficial das águas do Oceano Pacífico que trazem alterações climáticas], o que faz com que nesse período do ano, embora pareça crítico, estejamos ainda na normalidade. Isso possibilitou que nos preparássemos bem. Já capacitamos alguns militares para trabalhar na gestão dessas ocorrências. Nesta segunda-feira [13] colocaremos em operação nossa central de operações”, disse.

Segundo o primeiro-tenente Neil Martins, oficial combatente, a formação do pessoal para trabalhar com a logística e o combate aos incêndios florestais devem ser efetuados de forma gradativa, assim como as ocorrências, que aumentam à medida que a seca no Centro-Oeste avança. “Temos as fases da operação e, de acordo com elas, vamos preparando nosso pessoal e os equipamentos. Aparelhamos nosso material com bombas de água, sopradores e abafadores. Temos ainda o Centro de Gerenciamento Ambiental que faz a gestão das ocorrências”, explicou.

O primeiro-tenente Neil Martins explica que a formação do pessoal para trabalhar com a logística e o combate aos incêndios florestais deve ocorrer de forma gradativa

O Grupamento Ambiental do Corpo de Bombeiros está listando o material que será necessário adquirir para utilizar neste ano. A previsão é que sejam comprados 1.659 equipamentos de proteção individual (EPIs), 161 sopradores, 524 mochilas de costas, 170 mangueiras do tipo autobomba tanque florestal e 4.804 conjuntos de luvas com balaclavas (gorros justos de malha de lã que cobrem a cabeça, o pescoço e os ombros). O tenente Neil lembrou, no entanto, que esse quantitativo ainda passará por uma análise a depender do aumento ou redução da necessidade.

Já os bombeiros que atuam como gestores nas ações da operação Verde Vivo recebem formação de legislação ambiental, geografia do DF, condicionamento físico para lidar com situações adversas e simulação de manejo de combate. Na sexta-feira (10), teve início mais um curso, com 30 alunos. Os instrutores são bombeiros especialistas no combate a incêndios florestais. Atualmente existem 230 bombeiros militares com essa especialização.

Com relação às viaturas de combate a incêndios, o grupamento dispõe de 11 caminhões do tipo autobomba tanque florestal, com capacidade para carregar três mil litros de água, e 20 do tipo autotransporte de tropa, que leva 18 pessoas sentadas. Além desses, existe uma aeronave de combate às chamas, que carrega 3 mil litros de água.

TALVEZ VOCÊ TAMBÉM SE INTERESSE POR:


0

Comente esta notícia!