Sistema de abastecimento de água das áreas rurais é monitorado a distância

Brasília, terça-feira, 5 outubro, 2021

Sistema de abastecimento de água das áreas rurais é monitorado a distância

O sistema de transmissão de dados das unidades também utiliza a rede celular de forma segura. Desta forma, o sistema transmite os dados e os operadores acessam o sistema em seus próprios telefones celulares e tablets corporativos| Foto: Marco Peixoto (Caesb)

Com: informações da Caesb
Fonte: AGÊNCIA BRASÍLIA

Atualizado em: 7 outubro, 2021

Automação possibilita melhoria na qualidade dos serviços prestados e contribui na redução do custo operacional e de manutenção

A Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb) está monitorando à distância o sistema de abastecimento de água das áreas rurais do Distrito Federal. Ao todo, 34 sistemas, totalizando 77% das unidades, estão sendo monitorados pelo Centro de Controle Operacional da Caesb (CECOP), que funciona na Sede da Companhia, em Águas Claras, 24 horas por dia, durante todos os dias do ano.

Para a automação dessas unidades foram investidos R$ 1.273.923,64 com recursos provenientes do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

A automação do sistema rural possibilita uma melhoria na qualidade dos serviços prestados e contribui na redução do custo operacional e de manutenção dos sistemas. O chefe da área de saneamento rural da Caesb, Messival Mendes, explica a importância da modernização do sistema de automação e controle operacional.

“Esses sistemas são caracterizados pelas longas distâncias entre os mesmos, dificultando as atividades de operação e manutenção. Identificamos que se perde muito tempo em deslocamentos até chegar nas unidades para verificar seu funcionamento, possíveis falta d’água ou, até mesmo, falta de energia elétrica. Com a automação, conseguimos monitorar à distância todo o funcionamento do sistema”, explicou Messival.

Com a implantação da automação nas unidades operacionais, a Caesb garante muitos benefícios. Messival Mendes elencou as vantagens dessa modernização. “Será possível monitorar em tempo real os níveis dos reservatórios de água, identificando assim possíveis falta d’água. Temos também disponível um comando à distância para ligar e desligar equipamentos, se necessário. Outro ponto muito favorável é a identificação em tempo real dos locais com falta de energia elétrica, podendo ocasionar interrupção da produção e, também, falta d’água”, afirmou.

Outras vantagens também já foram identificadas com as inovações no sistema rural. Segundo Messival Mendes, os próprios usuários do sistema perceberão as benfeitorias. “A automação vai permitir uma melhoria na qualidade da água produzida e reduzir as interrupções no fornecimento de água por problemas operacionais, como também o tempo de resposta das reclamações dos clientes. Além disso, vai permitir otimizar as atividades da equipe de operação, pois não é mais necessário deslocar uma pessoa para a unidade, simplesmente para ver se tem água no reservatório, se o poço está ligado ou, até mesmo, se tem energia elétrica”, ressaltou.

“Identificamos que se perde muito tempo em deslocamentos até chegar nas unidades para verificar seu funcionamento, possíveis falta d’água ou, até mesmo, falta de energia elétrica. Com a automação, conseguimos monitorar à distância todo o funcionamento do sistema”
Messival Mendes, chefe da área de saneamento rural da Caesb

O sistema foi implantado com a atuação direta das áreas de automação, manutenção elétrica, manutenção civil e manutenção mecânica da Caesb, que fizeram as adequações nas instalações para compatibilizar as unidades do sistema de abastecimento de água das áreas rurais, com as características e necessidades de um moderno sistema de automação.

Para o coordenador de manutenção preventiva do sistema de automação da Caesb, Renato Cardoso, o sistema foi desenvolvido para operar de forma automática. “Mesmo em casos de falha de comunicação, o sistema possui funcionalidades de segurança que permitem que o mesmo continue operando de forma autônoma”, explicou Renato. Foram instalados também painéis elétricos de automação nas unidades e foram feitas as interligações necessárias para a integração dos mesmos.

O sistema de transmissão de dados das unidades também utiliza a rede celular de forma segura. Desta forma, o sistema transmite os dados e os operadores acessam o sistema em seus próprios telefones celulares e tablets corporativos. Segundo Renato Cardoso, “além da operação on-line, os dados históricos também são armazenados de forma automática num banco de dados da Caesb. Estes dados podem ser acessados pelos empregados da Companhia e passíveis de utilização em painéis gerencias”, afirmou.

Renato Cardoso alertou ainda que as unidades são operadas remotamente on-line, podendo o operador utilizar vários recursos. “Lá do Cecop o operador vai poder monitorar a vazão dos poços, realizar o controle automático das bombas dos poços de acordo com os níveis dos reservatórios e, também, da dosagem de cloro, de acordo com a vazão d´água”, revelou.

Para o diretor de Operação e Manutenção da Caesb, Carlos Eduardo Borges Pereira, com esses investimentos a Companhia traz melhorias e mais eficiência no processo. “A automação dos sistemas rurais de abastecimento leva a tecnologia a essas áreas, permitindo que se controle à distância e em tempo real, durante 24 horas no dia, a operação e o desempenho dessas unidades. Devido ao fato da quantidade de sistemas e das distâncias a serem percorridas, antes da automação levava-se muito tempo para identificar e corrigir os problemas, ficando a população desabastecida por muito tempo. Agora, com a automação, a detecção da falha é automática e as ações de correção são encaminhadas de imediato. Com certeza, estamos levando para as áreas rurais toda qualidade e modernidade que aplicamos às áreas urbanas. Pretendemos atingir 100% da automação nas áreas rurais num período máximo de dois anos”, esclareceu o diretor.

População rural no DF

De acordo com as projeções do Plano Distrital de Saneamento Básico (PDSB), baseadas em metodologias utilizadas pelo IBGE, a população rural do Distrito Federal em 2020 é de aproximadamente 79.414 habitantes. Desse total, a Caesb atende cerca de 37.321 habitantes com fornecimento de água tratada para consumo humano, o que representa 47% da população rural. A Companhia conta com 8.103 ligações de água na área rural, sendo que 5.044 são hidrometradas, o que corresponde a um índice de hidrometração da ordem de 62,25%. A empresa continua implantando melhorias para ampliar este índice até alcançar 100% de hidrometração.

Ao todo, a Caesb atende 61 comunidades rurais no DF, sendo que nove estão ligadas diretamente à rede de abastecimento de água e outras 52 comunidades são atendidas por sistemas isolados. A área de saneamento rural da empresa opera diretamente 44 sistemas produtores de água, totalizando 149 unidades entre captações, elevatórias, poços e unidades de tratamento e reservatórios. O volume de água produzida por estas unidades se aproxima de 105 l/s.

TALVEZ VOCÊ TAMBÉM SE INTERESSE POR:


0

Comente esta notícia!