UnB doa 1.500 protetores faciais para centros de ensino especiais

Brasília, quarta-feira, 25 agosto, 2021

UnB doa 1.500 protetores faciais para centros de ensino especiais

“Esses protetores serão muito úteis a nós, porque servirão a nossos estudantes especiais, que tem muita dificuldade de usar a máscara cirúrgica”, disse a secretária, ao receber as caixas com o material | Foto: Mary Leal / Secretaria de Educação

Com: informações da Secretaria de Saúde
Fonte: AGÊNCIA BRASÍLIA

Atualizado em: 25 agosto, 2021

Laboratório Aberto da Faculdade de Tecnologia produziu as peças com recursos doados pelo Ministério Público do Trabalho

A Secretária de Educação do DF, Hélvia Paranaguá, recebeu na manhã desta quarta-feira, 25, a doação de 1.500 protetores faciais produzidos pelo Laboratório Aberto da Faculdade de Tecnologia da Universidade de Brasília (UnB). Eles serão todos enviados para uso de professores e estudantes dos Centros de Ensino Especiais da rede pública.

“Esses protetores serão muito úteis a nós, porque servirão a nossos estudantes especiais, que tem muita dificuldade de usar a máscara cirúrgica”, disse a secretária, ao receber as caixas com o material. “Nós da Secretaria de Educação somos muito gratos à UnB pela ação e também ficamos orgulhosos em conhecer um laboratório como este”, completou Hélvia Paranaguá, ela própria ex-aluna da universidade.

O Laboratório Aberto da Faculdade de Tecnologia desenvolve objetos numa plataforma de produção com 50 impressoras 3D. Orientados pela coordenadora do lugar, a engenheira e professora Andréa dos Santos, 15 alunos dos cursos de engenharia, design e comunicação se dedicam a criar formas, ou digitalizar formas já existentes, para produzir ou reproduzir objetos que vão desde peças de motos elétricas até uma parte rara do mecanismo interno de um piano antigo – tudo a base de resina plástica.

Os protetores faciais foram feitos na mesma plataforma de impressoras. Nesse caso, a matéria-prima e os demais custos foram financiados com recursos do Ministério Público do Trabalho, geridos pela Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos (Finatec).

O diretor da Faculdade de Tecnologia, Márcio Muniz, lembra que a primeira fornada de protetores faciais feitos no Laboratório Aberto foi doada aos médicos da linha de frente de combate à covid-19 no início da pandemia. “Agora ficamos muito felizes em poder ajudar a área de educação. Tenho certeza que ajudamos a salvar muitas vidas com esses equipamentos e agora vamos ajudar na retomada do processo de aprendizagem das crianças”, disse.

Durante o pequeno ato feito na entrada do laboratório para entrega das caixas com os protetores, a secretária Hélvia Paranaguá chegou a se emocionar quando, de surpresa, perguntou quantos ali eram oriundos da rede pública de ensino do DF. Sete dos 15 estudantes do laboratório levantaram a mão, assim como a coordenadora, Andréa dos Santos. “Tá vendo? É o que eu sempre digo, é possível fazer uma educação pública de qualidade, vocês aqui são a maior prova disso.”

Veja aqui a lista dos CEEs que vão receber os protetores

TALVEZ VOCÊ TAMBÉM SE INTERESSE POR:


0

Comente esta notícia!